top of page

Policial Militar que matou jovem a tiros em Ilhéus se apresenta em delegacia e é liberado; alegou tiro acidental



O policial militar João Wagner Madureira, flagrado por câmeras de segurança agredindo e efetuando disparos que tiraram a vida de Fernanda dos Santos, de 23 anos, se apresentou na segunda-feira (15), na delegacia de Ilhéus, no sul da Bahia, onde ocorreu o crime. A jovem foi morta na madrugada da última quinta (11), em um posto de combustível da cidade.


Como apurado pela TV Santa Cruz (afiliada da TV Bahia na região) com o delegado à frente do caso, o homem foi ouvido e liberado, já que o prazo para prisão em flagrante havia encerrado. O suspeito ainda alegou disparo acidental.


Em nota enviada à imprensa anteriormente, os advogados de Madureira disseram que o homem não conhecia a vítima, que estaria "descontrolada" no momento do confronto.

De acordo com informações obtidas pelo Bahia Notícias, a vítima e seu algoz teriam um relacionamento amoroso. No vídeo que circula nas redes sociais, é possível ver todo o desenrolar dos fatos que culminou no assassinato da jovem. 


João Wagner aborda Fernanda de forma violenta, com chutes e arma em punho. Logo depois, os dois iniciam uma discussão acalorada. Instantes após, o policial efetua os disparos que tiram a vida da mulher. Ela chegou a receber atendimento médico no Hospital Regional Costa do Cacau, mas não suportou as lesões.


Veja abaixo a íntegra da nota da defesa do policial:


É com profundo pesar que comunicamos a todos sobre o trágico incidente envolvendo o policial militar João Wagner Madureira, conhecido como Cenoura, lotado na 69ª CIPM, na madrugada desta quinta-feira(11/01).

 

No calor de uma discussão, o PM se envolveu em um incidente fatal que resultou na perda de uma vida. O policial sempre dedicou sua carreira à defesa da sociedade e, em especial, à proteção das mulheres atendendo e prestando socorro em diversos casos de agressão a mulher. O ocorrido é inquestionavelmente repugnante, e estamos cientes da gravidade dos fatos.

 

João Wagner está comprometido em se apresentar voluntariamente às autoridades competentes e cooperar plenamente com as investigações em curso. Entendemos que essa tragédia em questão não apaga sua história em defesa da sociedade enquanto policial militar, mas compreendemos a responsabilidade de responder judicialmente por seus atos. Como deve sempre ser, independente de quem seja.

 

É importante esclarecer que, embora as acusações de feminicídio estejam presentes na cobertura midiática, afirmamos categoricamente que o policial militar não conhecia a vítima e que o ato não foi motivado por violência doméstica, familiar, menosprezo ou discriminação à condição de mulher.

 

O vídeo que circula nas redes sociais mostra o momento em que João Wagner Madureira aparece com uma arma em punho apontada para o chão. As imagens não divulgadas irão provar que a arma não tinha a intenção de intimidar a vítima, mas sim afastar pessoas alteradas na localidade. Quanto ao disparo ocorrido, esse se deu de forma acidental, quando a vítima e o policial entraram em vias de fato, momento em que a vítima tenta segurar a arma do policial, acabando por acionar a tecla do gatilho de forma involuntária como mostra as imagens divulgadas e que resultou na fatalidade que lamentamos profundamente.

 

João Wagner Madureira reconhece a gravidade do ocorrido e está preparado para responder perante a justiça dos homens e a justiça divina. Neste momento difícil, expressamos nossas sinceras condolências à família enlutada.

 

Nosso compromisso é com a verdade e a justiça, e confiamos no devido processo legal para esclarecer os detalhes deste trágico episódio.


Informações / Bahia Notícias

Comments


vertical (1).png
Publicidade
vertical.png
bottom of page