Sepultada em Itaquara, Ludmila Aragão, encontrada carbonizada; namorado é suspeito

13.02.2020

Após exames feitos pelo Departamento de Polícia Técnica (DPT), foi confirmado que a ossada encontrada dentro de um veículo carbonizado no município de São Sebastião do Passé, na Região Metropolitana de Salvador (RMS), é da empresária Ludmilla Aragão Campos, de 41 anos.

 

O sepultamento ocorreu às 14h desta quarta-feira (12), no Cemitério da Vila Castelo Branco, na zona rural de Itaquara, no Vale do Jiquiriçá, onde a empresária tinha familiares. O enterro foi realizado sob comoção de amigos e familiares, que pedem ação da Justiça baiana sobre o caso, que ganhau repercussão em toda a Bahia.

 

Segundo informações do DPT, o resultado foi obtido a partir de um exame de DNA e o laudo havia ficado pronto desde a quinta-feira (06) No entanto, a resposta só foi obtida nesta segunda (10), após a família comparecer para buscar os resultados.

 

Corpo no porta-malas

No último dia (28 ), de janeiro, um corpo carbonizado foi encontrado no porta-malas de um carro incendiado no município de São Sebastião do Passé. De acordo com a Polícia Civil, o veículo pertencia a Ludmila, que estava desaparecida desde o dia (27) de janeiro.

 

Os familiares acreditam que foi o namorado de Ludmila quem cometeu o crime. O suspeito, identificado como Charles Adamo Jesus de Araújo, teve a prisão preventiva decretada pela Justiça, mas ainda não foi encontrado.  Ela e morava em Vera Cruz, na Ilha de Itaparica, há dois meses, quando foi para o local abrir um restaurante.

 

Os familiares contaram ainda que, no dia do crime, o companheiro da mulher foi visto dentro da casa dela, por volta das 20h. Em seguida, moradores da região avistaram ele saindo dentro do carro da mulher, junto com ela. Já no dia seguinte, o carro apontado como o de Ludmila foi encontrado queimado em São Sebastião do Passé. A ossada foi encontrada dentro do automóvel.

 

Informações / Marcos Frahm

 

Please reload