Bahia: Associação da PM decide por greve, mas comandante diz que tropa não vai obedecer

08.10.2019

Depois de quase três meses de impasse, os policiais militares e bombeiros da Bahia decretaram greve nesta terça-feira (8), em assembleia realizada no Clube Adelba, atrás do Shopping Paralela, em Salvador. Em entrevista, o deputado estadual e representante da Associação de Policiais e Bombeiros e de seus Familiares (Aspra), Soldado Prisco (PSC), contou que o governo estadual não sentou na mesa de negociação.

 

“Esperamos que o governo sente e dialogue. O que nós queremos é apenas o diálogo. Se o Governo sentar e dialogar, tenha certeza que a categoria vai avançar. Enquanto não houver diálogo, não tem retorno aos trabalhos.


Esse tumulto não vai partir dos policiais. Nosso pessoal está aqui e a recomendação é vir para cá, para ficar seguro aqui. Recomendo que a população fique em casa, porque a irresponsabilidade neste momento é do Governo do Estado, em não querer negociar. são seis anos de tentativa de negociação”, disse.

 

Entre as pautas dos militares, estão melhorias do Planserv, cumprimento do acordo de 2014, solução para os problemas do novo sistema RH, reforma do Estatuto, código de Ética; periculosidade; auxílio Alimentação; reajuste da CET; plano de Carreira; cumprimento de ordem judicial e isenção de ICMS para Aquisição de Arma de Fogo para PMs e BMs.

Contraponto


O comandante geral da Polícia Militar da Bahia, coronel Anselmo Brandão, negou a informação de uma greve deflagrada. Em conversa com o site BNews, nesta terça-feira (8), o comandante explicou que a tropa não obedeceu a declaração do deputado estadual Soldado Prisco.

 

“Foi declarada por ele [Prisco]. E nossa tropa está trabalhando. Ele está criando fato. A tropa está na rua, trabalhando. Não existe nenhuma movimentação por parte dos policiais. A tropa não obedeceu. Vamos continuar trabalhando e garantir a segurança da população”. 

 

As informações são dos sites Varela Notícias e BNews.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Please reload