Manifestantes entram em confronto com a polícia em Paris; 205 são detidos

02.12.2018

  Manifestantes que protestam contra o aumento no preço dos combustíveis e a perda de poder aquisitivo entraram em confronto com a polícia na Avenida Champs-Elysées, em Paris, na manhã deste sábado (1º). Pelo menos 205 pessoas foram detidas, de acordoa agência Reuters.

 

  Protestos em todo o país reuniram 36 mil pessoas neste sábado, segundo estimativa do primeiro-ministro, Edouard Philippe. Cerca de 5500 manifestantes com "coletes amarelos" fluorescentes (gilets jaunes, em francês) foram à Champs-Elysées.

 

  As lojas da tradicional Galeria Lafayette e da Printemps foram evacuadas em Paris por causa da violência relacionada ao movimento e os incêndios ameaçam vários prédios no centro da cidade, segundo a agência Reuters. Um fuzil foi roubado de uma viatura da polícia francesa, segundo as autoridades. O caos se estende por vários bairros da capital francesa, a três semanas do Natal.

 

  A prefeita de Paris, Anne Hidalgo, declarou sua "profunda indignação" e sua "grande tristeza" em face da violência na capital. Depois dos violentos confrontos perto da avenida de Champs-Elysées, os enfrentamentos se espalharam na tarde de sábado para vários outros bairros de Paris, causando grande confusão.

"Sinto uma profunda indignação e tristeza pela violência no coração de Paris, o que é inaceitável", disse a prefeita no Twitter. "Nosso país está enfrentando uma grande crise, que só pode ser resolvida através do diálogo, e precisamos encontrar o caminho o mais rápido possível", escreveu Hidalgo.

  Mais cedo, um grupo de manifestantes encapuzados e mascarados tentou forçar o bloqueio montado pelas forças de segurança para fazer controles e identificações. Latas de lixo foram derrubadas e queimadas.

 

  A tropa de choque respondeu com bombas de gás lacrimogêneo e canhões de água. O

 

  Arco do Triunfo foi tomado por uma nuvem de fumaça. PO, movimento que tem como símbolo o “colete-amarelo”, que é uma peça obrigatória para os veículos franceses, começou em 17 de novembro. Ele conta com o apoio de dois em cada três franceses e uma petição "por uma redução nos preços do combustível" que superou o milhão de assinaturas.Símbolo dos manifestantes, colete amarelo é item obrigatório em carros na FrançaO primeiro dia nacional de protesto mobilizou 282.000 pessoas e a segunda cerca de 106 mil, incluindo 8 mil em Paris.Desconcertado, o governo não consegue dialogar com representantes do movimento que nasceu nas redes sociais, desvinculado de qualquer comando político ou sindical. A Polícia informou que 65 pessoas ficaram feridas (11 das forças de segurança).

 

Fonte:G1

Please reload