Eliminação frustra o Bahia, mas discurso de jogadores e Enderson mostra time fortalecido

Parece até incoerente, mas a eliminação para o Atlético-PR nas quartas de final da Copa Sul-Americana não parece ter abalado a moral do Bahia. Muito pelo contrário. Apesar da frustração pela saída da competição, os jogadores e o técnico Enderson Moreira não esconderam a satisfação pelo desempenho da equipe nos dois jogos. Clima importante e que pode fortalecer o time nesta reta decisiva de Campeonato Brasileiro.

O Bahia caiu, na última quarta-feira, nos pênaltis para o Atlético-PR após ter vencido o confronto na Arena da Baixada no tempo regulamentar, resultado que mostrou o poder de reação e concentração da equipe. O Tricolor havia perdido o jogo de ida na Arena Fonte Nova, em uma partida recheada de queixas (o clube baiano reclama da anulação de dois gols). No duelo de volta, a bronca com a arbitragem seguiu, desta vez por conta de uma falta marcada em Zé Rafael em lance que resultou em gol de Junior Brumado.

Em meio a um ambiente tenso por toda a polêmica que envolveu a arbitragem, o Bahia precisava superar o Atlético-PR na Arena da Baixada, um desafio que poucos clubes superaram. Terceiro melhor mandante do Brasileiro, o Furacão não perdia em casa desde o dia nove de junho, em jogo contra o São Paulo. A equipe paranaense defendia uma invencibilidade de 13 jogos nos seus domínios.

Além disso, até pouco tempo, o Bahia penava para vencer os seus jogos fora de Salvador.

No Campeonato Brasileiro, por exemplo, a equipe tem a 12ª campanha como visitante, com dois triunfos em 16 jogos. Contudo, nas últimas três partidas, contando Brasileiro e Sul-Americana, o time treinado por Enderson Moreira conquistou duas vitórias e perdeu um jogo, pontos que ilustram o discurso dos jogadores e do técnico Enderson Moreira:

- Infelizmente, a gente acabou pecando ali nas cobranças de pênalti. Não tem que ficar lamentando. É frisar o bom jogo que a gente fez, pressionando a equipe do Atlético-PR aqui na casa deles. Conquistamos nosso primeiro objetivo, que era o triunfo. Conseguimos.

Levamos a partida para os pênaltis. Infelizmente, acabamos não tendo sucesso ali. Mas a gente sai fortalecido daqui. Sabe que a gente fez um grande jogo, uma grande partida. Fica o gostinho de que dava, infelizmente. Mas é dar sequência e se preparar, porque domingo já tem uma batalha em Salvador, que a gente tem que vencer de qualquer jeito – disse o volante Flávio após a partida.

- A gente surpreendeu muita gente. Uma equipe que foi muito aguerrida, lutou do começo ao fim. Pênalti é consequência. Não demos sorte ali nas batidas, mas faz parte. A gente segue de cabeça erguida e com mais força para o Campeonato Brasileiro – afirmou Edigar Junio.

Agora Enderson vai poder direcionar o olhar para o Campeonato Brasileiro com a missão de garantir o quanto antes a permanência do Bahia na Primeira Divisão. Em 12º lugar, com 37 pontos, o Tricolor está a oito dos 45, pontuação apontada como necessária para confirmar a manutenção do time na elite do futebol brasileiro. Com sete jogos restantes, quatro deles em Salvador (Chapecoense, Ceará, Fluminense e Cruzeiro), a equipe baiana mostra condições de conseguir alcançar o seu objetivo.

Caso garanta a permanência nos próximos jogos, o Bahia vai poder se dar ao luxo de alçar voos maiores no Brasileiro, se ainda for possível. O Tricolor está atualmente na zona de classificação para a Copa Sul-Americana de 2019 e a 11 pontos do Atlético-MG, clube que abre a zona da Libertadores. No último caso, uma vaga ainda muito distante, mas o discurso dos jogadores até pouco tempo atrás mostrou otimismo em fazer o time mudar de patamar. Será possível?

Fonte: GE

vertical (1).png
Publicidade
vertical.png