Do êxtase à frustração: há dez anos, Massa vencia em Interlagos mas Hamilton era campeão


Onde você estava no dia 2 de novembro de 2008, há exatos dez anos?

Se você gosta de Fórmula 1, muito provavelmente estava grudado na telinha da Globo ou até na arquibancada de Interlagos vendo a decisão do campeonato de 2008 entre Felipe Massa e Lewis Hamilton. O brasileiro conquistou a vitória de forma brilhante. Quando cruzou a linha de chegada, estava "conquistando" o título, já que Hamilton era apenas o sexto colocado, o que daria ao piloto da Ferrari o caneco no desempate pelo número de vitórias. Mas o inglês passou o alemão Timo Glock na chegada à Junção para alcançar o suado quinto lugar que lhe deu o campeonato por um ponto (98 a 97).

Mas antes desse clímax, muita coisa tinha acontecido...

Assim como em 2007, Hamilton tinha grandes chances de título. O piloto da McLaren precisava de um quinto lugar para ser campeão, mesmo que Massa vencesse a prova. No ano anterior, o inglês só tinha de chegar em sexto, mas se embananou após um erro na primeira volta e um problema de câmbio (que alguns juram ter sido na verdade um outro erro de Hamilton), e acabou em sétimo, enquanto Kimi Raikkonen venceu e foi campeão.

No treino classificatório, Massa conquistou uma dominante pole position, enquanto Hamilton foi o quarto no grid. Tudo bem que o inglês seria campeão caso essas posições fossem mantidas na corrida, mas não deixava de ser uma pulga atrás da orelha do piloto da McLaren... Desde as primeiras horas de domingo, o nervosismo se sentia em todo o paddock.

Lembro que cheguei ao autódromo às 7h30 e, quando Massa apareceu, o assédio foi impressionante, como eu nunca tinha visto em Interlagos e como jamais veria novamente. A briga dos fotógrafos e cinegrafistas pelo melhor ângulo foi tão intensa que quase saiu pancadaria...

O tempo esteve bom pela manhã, mas no começo da tarde o céu começou a fechar.

Faltando exatamente dez minutos para a largada, começou a pingar no paddock, e não demorou para a chuva se intensificar. Para aumentar ainda mais a tensão, a largada foi adiada em dez minutos. Na sala de imprensa a especulação era de que os pilotos partiriam atrás do safety car, mas no fim das contas prevaleceu o procedimento normal, com largada parada.

Felipe Massa partiu com perfeição, seguido por Jarno Trulli, Kimi Raikkonen, Lewis Hamilton e Sebastian Vettel. Mas logo no "S" do Senna, David Coulthard foi tocado e abandonou sua corrida de despedida logo no começo. Parêntese: três dias antes fui a uma pauta com Coulthard no Clube Harmonia de São Paulo e perguntei sobre a fama de boêmio e o que ele lembrava das festas na sua trajetória na F1 entre 1994 e 2008. A resposta, acompanhada de um sorriso maroto, foi:

- Não lembro muito das festas, eu estava quase sempre bêbado...

Voltando à corrida, o safety car entrou na pista, até porque a Renault de Nelsinho Piquet também estava batida. Na relargada, Massa controlou bem a liderança, enquanto Hamilton corria com cautela em quarto. Como a chuva se foi tão rapidamente como chegou, a pista secou logo, e os pilotos entraram para colocar pneus de pista seca.

Depois que todos fizeram o pit stop, Massa se manteve na liderança, mas atrás dele estavam Vettel, um dos primeiros a fazer a troca de pneus, e Fernando Alonso (Renault).

Raikkonen vinha em quarto, seguido por Giancarlo Fisichella (Force India), e Hamilton era apenas o sexto. Este resultado dava o título a Massa, mas havia ainda muita corrida pela frente. Tanto que na 18ª volta o inglês, com toda a cautela, passou por Fisichella e se posicionou em quinto, trazendo com ele Timo Glock.

Dali em diante, a corrida ficou mais sossegada, sem grandes emoções. Com a pista seca, Massa disparou na liderança e ninguém o perseguiu de perto. Com uma estratégia de um pit stop a mais, Vettel fez a segunda parada mais cedo do que os demais ponteiros e deixou as primeiras posições, chegando a cair para sexto. Quando os demais fizeram a segunda parada, o alemão voltou ao segundo lugar, mas depois, com a terceira troca de pneus, ficou novamente em sexto.

Com a rodada de pit stops, Hamilton caiu para quinto, mas com Vettel colado nele, e botando pressão... No fim da antepenúltima volta, o inglês se enrolou na Junção, espalhou, e viu o alemão, com uma STR, passar de passagem por ele. Delírio em Interlagos: o sexto lugar de Hamilton dava o título a Felipe Massa caso ele vencesse. Com categoria, o brasileiro confirmou a vitória enquanto a torcida explodia na arquibancada e os amigos se abraçavam nos boxes da Ferrari.

Mas a chuva se intensificara justamente na última volta, e Timo Glock se arrastava pela pista. Vettel e Hamilton chegaram no alemão justamente na Junção. Não havia o que Glock pudesse fazer, e o piloto da Toyota perdeu duas posições. Hamilton conseguiu a ultrapassagem e cruzou a linha de chegada em quinto, a 38 segundos de Massa, quando o Tema da Vitória já tocava. Aos 23 anos, o inglês se tornava o mais jovem campeão da história da Fórmula 1.

Fonte: GE

vertical (1).png
Publicidade
vertical.png