RJ: 2 mulheres são vítimas de feminicídio em menos de 24 horas

29.10.2018

Duas mulheres foram assassinadas no Rio de Janeiro neste domingo (28). Vanessa de Morais Rocha, de 28 anos, foi espancada até a morte pelo companheiro em São Gonçalo, na região metropolitana do Rio. 

 

Thatiane Jader Leocádio de Abreu, de 39 anos, foi esfaqueada na frente da filha de oito anos na comunidade do Pavão-Pavãozinho, em Copacabana, na zona sul.

 

Além do gênero das vítimas, os crimes têm outra característica em comum: foram cometidos por seus companheiros ou ex-parceiros. A combinação dos dois fatores configura um padrão que se apresenta na maioria dos casos de feminicídio – o assassinato de uma mulher pela condição de ser mulher.

 

Segundo dados do ISP (Instituto de Segurança Pública do Rio de Janeiro), em 2017, 68 mulheres foram vítimas deste tipo de crime no Estado. A cada dez registros, ao menos cinco ocorreram dentro de casa (52,9%), e mais da metade foi cometida por companheiros atuais (51,5%) ou passados (5,9%).

 

No caso de Vanessa, o atual companheiro socou seu rosto várias vezes e, após o crime, tentou se esconder na casa de uma tia, segundo informou a Polícia Civil. Ele acabou preso em flagrante.

 

A vítima foi levada para o Pronto Socorro Central de São Gonçalo, no bairro José Garoto, mas não resistiu aos ferimentos.

 

Já Thatiane foi morta a facadas na frente da filha de oito anos. De acordo com a irmã da vítima, o autor seria um ex-companheiro do qual ela estava separada há uma semana. Após o fim do relacionamento de quatro anos, o suspeito teria começado a agredir Thatiane.

 

No domingo, o suposto autor do crime teria arrombado as portas de acesso ao prédio e ao apartamento de Thatiane e, após uma discussão, esfaqueado a ex-companheira na frente da filha dela. A menina foi quem pediu ajuda aos familiares. 

 

A irmã de Thatiane a econtrou caída de bruços, próximo a porta da entrada da casa, com a faca ainda cravada no ombro.

 

A ex-cunhada também disse à polícia que o suspeito, conhecido como "Radinho", teria envolvimento com o tráfico de drogas da comunidade.  

 

O caso está sendo investigado pela DH-Capital (Divisão de Homicídios da Capital).

 

Fonte: R7

 

Please reload