Suspeito de matar ex-companheira com espeto de churrasco apresenta à polícia


O homem suspeito de matar a ex-mulher com um espeto de churrasco se apresentou na manhã desta sexta-feira (21), no Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), no bairro da Pituba, em Salvador. Conforme a Polícia Civil, Nivaldo do Espírito Santo dos Santos teve a prisão temporária decretada, era considerado foragido e estava sendo procurado pela polícia.

De acordo com a polícia, o suspeito se apresentou acompanhado de um advogado.

O crime aconteceu no dia 16 de setembro, na casa da mãe de Jaqueline Conceição da Anunciação, localizada na Rua Nova Esperança, em Itapuã, na presença de dois dos três filhos do ex-casal.

Segundo a Polícia Civil, Nivaldo Santos atacou a ex-mulher, pois não aceitava o fim do relacionamento. Após ser interrogado no DHPP, o suspeito ficará a disposição da Justiça e será encaminhado para o sistema prisional.

Caso

Jaqueline chegou a ser levada pro familiares na UPA de Itinga, mas já chegou à unidade de saúde sem vida

Conforme familiares, Jaqueline foi morta por Nivaldo após uma discussão. Ainda de acordo com familiares, Jaqueline e Nivaldo, que estavam separados há quatro meses, discutiram porque ele insistia em reatar o casamento, que durou cerca de 16 anos.

Os parentes de Jaqueline contaram que, no dia do crime, a vítima havia passado o dia na praia e, quando retornou, à noite, foi surpreendida pelo ex-companheiro na casa da mãe dela, onde morava junto com os filhos, desde a separação.

Segundo a irmã da cozinheira, Josemara Conceição, de 35 anos, ele entrou no quarto onde ela estava e a atacou com quatro golpes com um espeto de churrasco.

Os dois filhos caçulas do casal, uma menina de 14 anos e um menino de 10, assistiram à morte da mãe, segundo os familiares. A outra filha, de 15 anos, não estava em casa no momento do crime.

Jaqueline chegou a ser socorrida pelos familiares e levada para a Unidade de Pronto Atendimento (Upa) de Itinga, em Lauro de Freitas, mas chegou à unidade de saúde sem vida.

Violência doméstica

Segundo familiares, Jaqueline sofria violência doméstica desde o início do casamento. Além de agredir a ex-companheira, Nivaldo também batia nos três filhos do casal. "Ela pediu a separação justamente porque não aguentava mais apanhar nem ver os filhos apanhando. Quase todos os dias ele batia neles", relatou a irmã da vítima.

Ainda conforme os familiares, a cozinheira nunca registrou as agressões na polícia, com medo que o ex-companheiro a agredisse ainda mais. "A gente falava com ela, conversava com ele, mas nunca imaginou que ele seria capaz de fazer uma coisa dessas", lamentou Josemara.

Os familiares de Jaqueline contaram, ainda, que mesmo após a separação, Nivaldo constantemente ia até a casa da mãe de Jaqueline, onde ela morava há quatro meses, pedir para que ela voltasse para a antiga residência. Um dia antes do crime, ele havia ido à casa da ex-sogra duas vezes em busca da cozinheira.

Fonte: G1

© 2020 Todos os Direitos Reservados

 Por Josi Machado e Allan Lago