Sem apoio da família, Mayra Bueno quer brilhar no Contender Series Brasil


Foi na comunidade de Dona Zulmira, em Uberlândia, Minas Gerais, que Mayra "Sheetara" Bueno começou a treinar jiu-jítsu. Mas foi na frente da televisão que ela decidiu que ia mudar de vida. A vitória do brasileiro Junior Cigano sobre Cain Velasquez no UFC a fez ter certeza que queria entrar no MMA profissional. Hoje, ela é lutadora da academia Chute Boxe Diego Lima, em São Paulo, tem um cartel invicto com quatro vitórias e buscará um contrato com o UFC através do Contender Series Brasil, o "Peneirão de Dana White", marcado para começar nesta sexta-feira.

A sua adversária será a manauara Mayana Kellem na categoria peso-galo (até 61kg).

- Eu luto porque eu tenho um sonho de mostrar a todos da minha comunidade que a gente não precisa ser o que a sociedade manda a gente ser. Podemos ser muito melhor que isso. Então, quando eu tiver o cinturão do UFC, vou poder mostrar que a gente não precisa ser aquilo que a sociedade faz a gente ser - explicou ao Combate.com.

Antes de ser lutadora, Mayra já trabalhou como carroceira, embaladora em supermercado e estoquista em papelaria. Mesmo com o sonho de ser psiquiatra, a mineira, de 26 anos, nunca reclamou da infância dura e acha que isso a fortaleceu.

- Sem querer, Deus colocou esses tipos de trabalho na minha vida para que eu me tornasse uma pessoa forte. Eu sempre trabalhei pegando peso e, psicologicamente, não era um trabalho que uma criança queira fazer. Deus sempre colocou isso no meu caminho para que eu pudesse me tornar a pessoa que eu me tornei hoje.

Na sua última luta, contra Daiane Firmino pelo evento Batalha MMA 5, Mayra rompeu o ligamento do ombro no primeiro minuto de combate - e mesmo assim venceu o duelo. Entretanto, viu sua família virar as costas para a sua profissão.

- Minha mãe e minhas irmãs não gostam que eu lute. Eles preferiam que eu fosse estudar. Minha mãe tem horror a me ver lutando desde o meu último confronto. Eu me machuquei muito, ela viu o sofrimento que eu tive que passar para me recuperar - disse Sheetara, que ganhou o apelido de seu ex-técnico Evangelista Cyborg, baseado no desenho ThunderCats,

Se a família não a apoia, Mayra tem uma grande aliada. A namorada, Gloria de Paula, também é lutadora da equipe Chute Boxe Diego Lima e parceira durante os treinos pesados. E a campineira tem uma explicação para o cartel vitorioso de 4-0 da companheira.

- A Mayra é uma pessoa muito determinada, ela tem muita garra. Se ela coloca uma coisa na cabeça, ela vai até o final. Ela ter sido chamada pra lutar no Contender é sensacional. Eu fiquei muito orgulhosa dela, tenho certeza que ela vai brilhar muito. Vai ser contratada e vai dominar a categoria no UFC - finalizou Glorinha.

O Contender Series Brasil terá três episódios no total, com cinco lutas em cada um. O Canal Combate transmite às sextas-feiras, 19h. A Rede Globo exibe uma versão reduzida do programa, apresentada por Felipe Andreoli, aos sábados, após o "Zero1". O SporTV reprisa o programa na íntegra às segundas-feiras, 22h.

Fonte: Combate.com

vertical (1).png
Publicidade
vertical.png