O poder do Whatsapp de manipular eleitores


O Whatsapp é o aplicativo de mensagens mais utilizado no Brasil. Dos 120 milhões de usuários no país, 48% adotam a plataforma como fonte de notícias, segundo levantamento do Instituto Reuters para Estudo de Jornalismo.

O aplicativo, no entanto, é frequentemente utilizado para a divulgação de fake news, que podem influenciar os rumos das eleições de outubro, alertam especialistas.

"O Whatsapp tem um enorme potencial para a manipulação de eleitores. Ele facilita a interação dentro de círculos fechados, onde a criptografia permite discutir tópicos sensíveis. Isso torna o aplicativo suscetível a ser usado para espalhar desinformação e influenciar o comportamento dos eleitores", explica Vidya Narayanan, diretora de pesquisa do Projeto de Propaganda Computacional da Universidade de Oxford, grupo que investiga como algoritmos e automação são utilizados nas redes sociais para manipular a população.

Com 1,5 bilhão de usuários no mundo, o aplicativo acumula casos de atividade maliciosa. Na Índia, maior mercado do Whatsapp, em julho oito pessoas foram mortas em decorrência de rumores sobre "sequestradores de crianças" em grupos de conversa.

Para conter a propagação de notícias falsas, a empresa limitou a distribuição simultânea de conteúdo para apenas cinco grupos e removeu o botão de compartilhamento rápido na Índia. Um limite semelhante foi implementado para usuários em outros países. Além disso, o aplicativo passou a marcar claramente mensagens encaminhadas.

Fonte: Carta Capital

© 2020 Todos os Direitos Reservados

 Por Josi Machado e Allan Lago