Prisão de Lula completa um mês

07.05.2018

 

Após um mês da prisão do ex-presidente, Luiz Inácio Lula da Silva, a vigília dos apoiadores do petista diminuiu e o ambiente fica cada vez mais tenso, em frente ao prédio da Polícia Federal onde Lula está preso. Os episódios recorrentes de conflitos levaram na última semana o prefeito de Curitiba (PR), o urbanista Rafael Greca (PMN), a fazer uma “súplica” à Justiça.

 

Ele já vem cobrando a saída de Lula – e dos manifestantes – do local e disse que e o zoneamento urbano do bairro onde está a sede da PF pode até comportar um prédio com o serviço de emissão de passaportes, mas não “alojar, em caráter de confinamento penitenciário, um preso com a expressiva trajetória política do líder sindical, mentor e líder de movimentos sociais, ex-presidente da República”.

 

Um drone branco sobrevoa diariamente o prédio. Pela câmera da mini aeronave não tripulada, policiais monitoram o movimento dos moradores locais e dos “acampados” na área sitiada do entorno da Superintendência da PF.

 

O zumbido diário do drone da PF é mais um dos barulhos da nova rotina do antes sossegado bairro Jardim Santa Cândida, local arborizado num dos extremos de Curitiba. Desde a chegada de Lula e do grupo de apoiadores, a área virou palco de relações conflituosas.

 

Do alto, as imagens do drone registram desde o dia 7 de abril o esvaziamento do acampamento – organizado pelo PT e pelo MST e batizado de “Lula Livre”. Nas duas primeiras semanas, após a chegada do ex-presidente, cerca de 500 manifestantes formavam o acampamento, com barracas espalhadas nas ruas do bairro e sobre as calçadas. 

Com ele vieram o comércio clandestino, a cantorias, os gritos de ordem, o futebol nas ruas, a constante presença policial, os bloqueios de tráfego e a quebra da rotina.

 

Desde o dia 17, são cerca de 70 pessoas, segundo a organização, que passaram a dormir em barracas em um terreno alugado há 800 metros do ponto principal dos protestos, a “esquina Olga Benário”, como batizaram os acampados o encontro da rua Guilherme Matter com a Dr. Barreto Coutinho.

 

O cruzamento é o marco zero do acampamento, que está bloqueado pelos manifestantes e pelo cordão da isolamento da Polícia Militar – que cumpre ordem da Justiça estadual de interdito da área do entorno da PF.

 

No local, permanecem quatro barracas da estrutura operacional do movimento.

 

Fonte: O Correio

 

 

 

 

Please reload

© 2020 Todos os Direitos Reservados

 Por Josi Machado e Allan Lago