Buscar
  • Jornal da Cidade

Exploração de ouro é a aposta de Iramaia para reaquecer economia


Cinco alvos promissores para exploração de ouro foram descobertas em Iramaia, na região de Jequié, que prometem reaquecer o mercado do ouro baiano e a economia da região. Pesquisas realizadas pela Companhia Baiana de Pesquisa Mineral (CBPM) identificaram esses depósitos de ouro, com cerca de 4 quilômetros de extensão, através do Projeto Jurema Leste.

O estudo feito por mapeamento geológico de detalhe agora aguarda a primeira fase para entrar em execução.

“A CBPM pretende abrir um processo de licitação visando atrair empresa parceira que investigue a mineralização, a um custo estimado de US$ 1,5 milhão”, explica Rafael Avena, diretor da CBPM.

Já num segundo ano os trabalhos serão dedicados à exploração da mineralização primária, por meio de sondagens diamantadas, até a profundidade de 220 metros, com a realização aproximada de 11.500 metros de sondagens, a um custo da ordem de US$ 4 milhões.

Dependendo dos resultados dessas sondagens, confirmados os teores de ouro obtidos pela CBPM em seus trabalhos iniciais, o projeto poderá evoluir para um estudo de viabilidade econômica e, posteriormente, para a exploração, com o minério oxidado entrando inicialmente em produção.

Perspectivas

De acordo com o secretário de Desenvolvimento Econômico (SDE), Jaques Wagner, as perspectivas são muito boas.

“Acredita-se que a região de Iramaia possa vir a ser um novo distrito aurífero na Bahia, e este é apenas um exemplo da retomada do crescimento do setor mineral na Bahia”, afirmou Jaques Wagner.

A última edição da revista In The Mine, uma das mais respeitadas do segmento sobre pesquisa geológica e mineração, deu destaque a este projeto do ouro de Jurema Leste, devido ao prospecto que foi apresentado em março numa feira em Toronto, no Canadá, e disponibilizado para investidores interessados na exploração de ouro.

Preços

A despeito de todas as projeções negativas feitas no final de 2015 com relação aos preços das commodities minerais para 2016, o mercado reagiu recuperando a demanda e melhorando seus resultados, com os minerais fechando o ano com crescimento dos seus preços e demonstrando boas perspectivas para 2017, à medida que o crescimento econômico global for se recuperando e os mercados se reequilibrarem.

O contínuo programa de estudos, ampliação e aprofundamento do conhecimento geológico do estado, mantém a Bahia como um dos principais territórios de interesse para pesquisa de minerais, recebendo pelo segundo ano consecutivo o maior número de Requerimentos de Pesquisa do país, segundo a CBPM.

Informações / A Tarde

258 visualizações

© 2020 Todos os Direitos Reservados

 Por Josi Machado e Allan Lago